Pós festa

“Será que alguém se identifica?” – Aquele Por Trás dos Teclados.

Cláudio retornava a pé e apertado daquela festa; também pudera, se disputasse com um camelo sobre quem consegue ingerir mais líquido, venceria disparado. Tomara, sôfrego, todo o álcool que foi humanamente possível de estocar em sua barriga. Males de um “Open Bar” oferecido a alguém sem freios, aquela velha história.

Eis que em certo momento de sua jornada cambaleante até o apartamento que vivia, sentira, escruciante, o lembrete da natureza de que tudo o que entra, deve sair; sua mente bêbada logo processara: não conseguiria chegar ao seu banheiro a tempo, de modo que optara pelo caminho dos porcos, colocando-se a procurar um canto discreto em vias de urinar por ali mesmo.

Continue reading “Pós festa”

Barroso

“Mais um, para vocês. Este, admito, tem mais fatos que ficção, mas a linha, como sempre, é tênue.” – (O Não Autor)^(-1)

Quão baixo iria alguém para estabelecer uma imagem de superioridade, mesmo que tais atos levassem ao ridículo da admissão pública de pequenas verdades constrangedoras, porém cômicas? Todos têm, é claro, seus limites, mas os de algumas pessoas, em especial de uma certa moça espalhafatosa de voz estridente, beiravam ao grotesco.

Esta mesma, cujo nome não é do interesse de ninguém, em certa feita estava reunida com algumas amigas num lugar público, estando acompanhada de sua mãe, e tagarelava com as outras sobre frivolidades usuais que afloram após um almoço farto, num volume que passara de comparável a um burburinho baixo, alcançando algo semelhante à algazarra de uma revoada de araras.

Continue reading “Barroso”

E não levou os peixes.

“Bem vindos à primeira postagem do blog, caros agregados virtuais! Espero que aproveitem o conto que lhes ofereço a seguir.” – O Autor, obviamente.

Certa feita um esquivo, maltrapilho e arrogante rapaz, dado às pilantragens, acordara de um sonho no qual vislumbrara o golpe perfeito: roubaria, na calada da noite, peixes dos sítios alheios, e piamente os venderia na feira de uma vila próxima, clamando ser seu produto muito honesto, e da melhor qualidade.

Continue reading “E não levou os peixes.”